Meus escritos: indicação

Manhã de domingo é mais um texto encantador e emociante. Inicialmente, conta a história de uma casal que perde o filho. O cenário é uma pracinha de onde se dar o inicio aos acontecimentos na história.

Certo dia, o jovem casal propôs mudar a rotina e, ao chegar na casa do casal mais velho, percebe algo muito estranho. A porta estava aberta e que, por isso, dava-se pra ouvir sussurros agonizantes de tristeza, cuja intensidade varavam as paredes do quarto harmônico…

Manhã de domingo: Rimas

Os personagens são dois casais que se conhecem no decorrer dos acontecimentos, mas o casal de jovem conhece o outro depois de certo tempo, durante um piquenique na pracinha.

Fica em casa!

Alguns levam na brincadeira
Enquanto outros, muito a sério
Ficar em casa, atitude certeira
Perigoso vírus, muito severo.

Parte desconhecido e conhecido
Na luta incansável pela vida
Fica em casa, não sair, não insista!
Sair pode deixar alguém entristecido.

O Brasil está triste.

Que triste situação
O Brasil na contramão
Um governo inexistente
Para um povo tão carente.

Iam acabar com a mamata
Infeliz ilusão, uma desgraça
Fazem do Brasil uma panelinha
Grupos raivosos parecendo rinha.

O Brasil morre na incompetência
De incapazes de experiência
Onde o certo é massacrado
E no ódio, o errado é idolatrado.

O Brasil pode, infinitamente, mais
Pode a paz, harmonia e amor
Fora governo danoso de dor
O país não te merece jamais.

intenções

Desconfie das intenções de quem só faz as coisas esperando algo em troca.

Rimas

Desde criança, somos ensinados sobre a importância da gratidão, que sempre devemos agradecer quando somos atendidos e ao sermos tratados com gentileza e respeito. Crescemos com esse compromisso educativo e moral, agradecer.

Algumas pessoas são tidas como mal-educadas quando não fazem o uso do agradecer na relação com as outras pessoas e logo são repreendidas. Nesse ponto começa a controvérsia: se devemos ajudar, sermos solidários aos semelhantes entre outras práticas sociais e alegamos que não devemos pedir nada em troca, por que então esperamos pelo o “obrigado” do outro? Não seria então, um algo em troca? Um reconhecimento pela nossa atitude?

Perguntas para simples reflexão, pois o objetivo nesta publicação é ir além, nas diversas situações, nas quais aqueles que ajudam requerem uma contrapartida, a famosa “uma mão lava a outra” que nesse contexto assumem dois sentidos: aqueles que deixam claro e aqueles que agem de forma subliminar, usando um discurso falsificado, querendo se passar por pessoas que, realmente, ajudam sem interesses.

Agora, imaginemos a seguinte situação: alguém está precisando de algo, vem outro e oferece-lhe ajuda. Mas quem é esse outro? No nosso tema, é aquele que quer ajudar, mas deseja algo em troca. Seguindo o exemplo, aquele que ajuda, finge não querer nada e faz questão de convencer o ajudado de que tudo foi em nome da solidariedade.

Você deve estar se perguntando, e daí? Bom, vivemos numa sociedade com pessoas de bem e outras, invejosas e traiçoeiras. Ser grato a alguém que só faz algo de bom esperando algo em troca, é nunca saber se o algo em troca será o que nos faz feliz.